Junior Barranquilla (COL) 0 x 3 Palmeiras – 01/03/2018

5a98b1bc3c1c9
(Foto: Raul Arboleda/AFP)

Muita expectativa para a estréia do Verdão nesta que é tida a Libertadores mais “pesada” de todos os tempos por ter os principais times de cada país e concentrar o maior número de campeões na mesma edição.

A boa vitória não foi suficiente para satisfazer a crítica torcida que esperava (como sempre) mais do time em campo.

Jogamos com um jogador a mais desde os 9 da etapa inicial e 10 minutos depois abrimos o marcador. O gol foi a única finalização do 1º tempo. Pouco mas objetivos. Voltamos melhores na etapa e fizemos mais 2 em 4 chances.

Vencer, e vencer fora, é importantíssimo independente da apresentação. Contudo, precisamos urgentemente melhorar a marcação. Mesmo com 1 jogador a mais tomamos várias jogadas de perigo e um pênalti desperdiçado pelos Colombianos.

A vitória nos deixa na liderança da chave já que no outro confronto houve empate entre Boca e Alianza Lima.

Jogo de ida válido pela 1ª rodada da fase de grupos da Libertadores 2018.

Gols, melhores momentos.

FICHA TÉCNICA
JUNIOR BARRANQUILLA-COL 0 X 3 PALMEIRAS

LOCAL: Metropolitano Roberto Meléndez, Barranquilla (COL)
DATA-HORA: 01/3/2018 – 21h30 de Brasília (19h30, horário local)
ÁRBITRO: Enrique Cáceres (PAR)
AUXILIARES: Eduardo Cardozo (PAR) e Juan Zorrilla (PAR)
PÚBLICO/RENDA: Não disponíveis
CARTÕES AMARELOS: Piedrahita (BAR), Borja e Bruno Henrique (PAL)
CARTÕES VERMELHOS: Germán Gutiérrez, aos 9’/1ºT (BAR)
GOLS: Bruno Henrique (18’/1ºT) (0-1), Borja (6’/2ºT) (0-2), Bruno Henrique (26’/2ºT) (0-3),

JUNIOR BARRANQUILLA-COL: Sebastián Viera; Piedrahita, Rafael Pérez, Alberto Rodríguez e Germán Gutiérrez; Cantillo, Pico, Chará (Luis Díaz, aos 27’/2ºT) e Mier (Jorge Arias, aos 33’/1ºT); Jonatan Álvez e Téo Gutiérrez (Luis Ruiz, aos 16’/2ºT). TÉCNICO: Alexis Mendoza.

PALMEIRAS: Jailson; Marcos Rocha, Antônio Carlos, Thiago Martins e Victor Luis; Felipe Melo, Bruno Henrique (Thiago Santos, aos 27’/2ºT) e Lucas Lima (Guerra, aos 23’/2ºT); Willian, Dudu e Borja (Gustavo Scarpa, aos 32’/2ºT). TÉCNICO: Roger Machado.

Em busca do bi, Verdão inicia caminhada na Libertadores nesta quinta-feira

01/03/2018 – 12h40

A corrida pelo segundo título da Conmebol Libertadores para o Palmeiras começa nesta quinta-feira (01), na Colômbia, onde o time do Palestra Italia irá enfrentar o Junior Barranquilla-COL. O rival sul-americano eliminou o Olimpia-PAR na fase anterior da competição antes de chegar ao grupo 8, que também conta com Boca Juniors-ARG e Allianza Lima-PER.

Campeão em 1999, o Verdão ainda foi finalista em outras três oportunidades. Os vice-campeonatos aconteceram em 1961, quando se tornou o primeiro brasileiro a alcançar uma decisão de Libertadores, 1968 e 2000. Ao todo, o Alviverde disputou 162 partidas pela competição, sendo 83 vitórias, 31 empates e 48 derrotas.

Este ano, o Palmeiras se tornará o clube do Brasil com mais participações na história da Conmebol Libertadores, ao lado de Grêmio e São Paulo. O Verdão e a equipe gaúcha disputarão o torneio continental pela 18ª vez, igualando o rival paulista.

O Alviverde é a equipe brasileira com mais gols marcados na Libertadores, tendo balançado as redes incríveis 287 vezes. O Maior Campeão do Brasil também é o 10º colocado do ranking dos times que mais marcaram no campeonato, independentemente da nacionalidade – o Verdão divide a 10º posição com o América de Cali-COL.

Do atual elenco, cinco atletas já levantaram o troféu da competição. São eles: Edu Dracena (2011, pelo Santos), Marcos Rocha (2013, pelo Atlético Mineiro), Willian (2012, pelo Corinthians), Alejandro Guerra (2016, pelo Atlético Nacional) e Miguel Borja (2016, pelo Atlético Nacional).

Palmeiras enfrentou rival da estreia uma única vez

O único embate entre o Maior Campeão do Brasil e o Junior Barranquilla-COL ocorreu no dia 25 de julho de 1997, em partida válida pelo torneio amistoso Reebok Cup, nos Estados Unidos. O duelo, disputado no Estádio Orange Bowl, em Miami-EUA, terminou 2 a 2, com gols alviverdes de Euller e Alex. Foi, inclusive, o primeiro gol do meia, à época recém-contratado do Coritiba.

A equipe palestrina foi Velloso; Pimentel, Roque Júnior, Cléber (Júnior Tuchê) e Júnior; Galeano, Amaral, Marquinhos (Alex) e Zinho; Euller e Oséas (Viola).

Em toda sua história, o Palmeiras já enfrentou equipes colombianas 19 vezes e carrega retrospectro favorável: foram 12 vitórias alviverdes, quatro empates e apenas três derrotas. Nestas partidas, o Verdão também ostenta saldo de gols positivo, tendo balançado as redes 36 vezes e sofrido 22 gols.

 

Palmeiras vence Junior Barranquilla por 3 a 0 fora de casa na Libertadores

Departamento de Comunicação
01/03/2018 – 23h18

O Palmeiras entrou em campo para enfrentar o Junior Barranquilla-COL, nesta quinta-feira (01), em Barranquilla (Colômbia), às 21h30 de Brasília (19h30 no horário local), em jogo válido pela primeira fase Conmebol Libertadores. Pelo placar de 3 a 0, gols de Bruno Henrique (duas vezes) e Borja, o Verdão superou seu adversário e estreou em grande estilo no torneio continental, do qual agora participou pela 18ª vez em sua história – ao lado de Grêmio e São Paulo, o Alviverde é o clube brasileiro que acumula mais edições disputadas.

Com a vitória, o time comandado pelo técnico Roger Machado ampliou uma vantagem histórica jogando em dias 1º de março: historicamente, a agremiação palestrina entrou em campo, já contando essa partida diante da equipe colombiana, por 11 vezes. foram nove vitórias, um empate e uma única derrota (23 GP x 6 GC).

Atuando na edição de 2018 da Libertadores, o Alviverde ampliou também um recorde que já era seu: o de ser o clube brasileiro com mais gols na competição. Os dois gols de Bruno Henrique e o gol de Borja levaram o Verdão ao seu 290º tento no Continental.

O centroavante Borja, aliás, vive fase artilheira: chegou ao seu 6º gol na temporada de 2018 pelo Verdão, sendo que cinco deles foram válidos pelo Campeonato Paulista – números que fazem do colombiano o artilheiro do Estadual, ao lado de Bruno Moraes, do Botafogo. Ao todo, Borja acumula 16 gols em 52 jogos com o manto palestrino.

Outra marca curiosa alcançada pelo Palmeiras na partida desta quinta-feira (01) veio como consequência da vitória: há 48 anos, o clube esmeraldino não perde em uma estreia de Libertadores. A partir de 1979, todas as edições disputadas iniciaram a campanha com vitória ou empate. Vale lembrar que de todas as 18 participações do time alviverde no Continental, apenas as campanhas de 1971 e de 1974 começaram com reveses.

O Palmeiras volta a campo na próxima segunda-feira (05), pela 10ª rodada do Paulistão, e irá enfrentar a equipe do São Caetano no Allianz Parque. Já pela Conmebol Libertadores, enfrentará o Alianza Lima-PERU, também no Allianz Parque, no dia 03 de abril.

O jogo

O Alviverde entrou em campo determinado, já exercendo pressão no campo de defesa do adversário desde os primeiros minutos. O torcedor palmeirense que viajou a Barranquilla para ver a equipe palestrina jogar viu uma partida com muitas faltas por parte dos donos da casa já nos primeiros cincos minutos.

Não à toa, logo aos oito minutos de duelo o árbitro paraguaio Enrique Cáceres precisou intervir com uma falta duríssima de Germán Gutiérrez em Bruno Henrique, que não hesitou em expulsar o lateral-esquerdo rival, que havia levantado o pé na altura do pescoço do meio-campista palmeirense.

Jogando com um a mais desde os minutos iniciais, portanto, o Palmeiras passou a crescer definitivamente na partida, sem dar espaço para que os donos da casa criassem jogadas promissoras.

Após algumas tentativas, Bruno Henrique conseguiu chegar ao gol, aproveitando a assistência de Dudu, que havia recebido passe açucarado de Felipe Melo. Frente a frente com o goleiro Sebastián Viera, chutou com força e vazou a meta rival. (Junior Barranquilla 0x1 Palmeiras)

Mesmo rápido nas jogadas de contra-ataque e nas bolas lançadas, o Palmeiras se encaminhou nos minutos seguintes sem conseguir criar grandes chances. Já o Junior Barranquilla, ao perceber que mesmo com um a menos o Verdão parecia estagnado, criou coragem e resolveu começar a responder o time visitante em campo, a partir – aproximadamente – dos 30 minutos de peleja.

Os donos da casa viveram o melhor momento do prélio aos 43 minutos, quando, por muito pouco, não deixaram tudo igual, com Téo Gutiérrez invadindo a área de Jailson, driblando a zaga esmeraldina. Por sorte, o lateral-esquerdo palmeirense Victor Luis estava atento ao lance e fui cirúrgico no desarme, afastando o perigo daquele que poderia ser o primeiro gol do time de Barranquilla.

Para o segundo tempo, o Alviverde voltou do vestiário sem alterações. O time voltou com mais garra, talvez por perceber que havia deixado esfriar o ritmo de jogo nos últimos 15 minutos da etapa anterior. Com o Verdão mais enérgico em campo, não demorou muito para os resultados começarem a aparecer.

Logo aos seis minutos da etapa final, Borja marcou um golaço, de voleio, após aproveitar bola sobrada de Lucas Lima, que havia sido lançado por Willian. Oportunista, o Palmeiras ampliou a vantagem e encaminhou a vitória. (Junior Barranquilla 0x2 Palmeiras)

O Verdão se animou com o gol e passou a cada vez mais ficar no ataque, no intuito de impor uma goleada em plena casa adversária. No entanto, com o passar dos minutos, a equipe visitante passou a repetir os mesmos problemas dos últimos minutos do primeiro tempo, perdendo o embalo e se tornando apático.

Com a intenção de dar gás novo ao time, o técnico Roger Machado percebeu a queda de rendimento do Palmeiras e resolveu utilizar as peças que estavam à sua disposição no banco de reservas: aos 23, entrou Guerra no lugar de Lucas Lima.

A entrada do venezuelano rapidamente surtiu efeito positivo no time do Verdão, fazendo com que o time chegasse ao terceiro gol no jogo, novamente com Bruno Henrique: dessa vez, o dono da camisa 19 recebeu assistência direta de Guerra, que havia entrado há pouquíssimo tempo, e bateu no canto esquerdo de Viera. Noite mágica para o meia palmeirense! (Junior Barranquilla 0x3 Palmeiras)

Logo após marcar o terceiro gol do Verdão (seu segundo na partida), Bruno Henrique vivenciou uma saída triunfal, aplaudido pelos palmeirenses presentes no Estádio Metropolitano. No lugar do camisa 19 entrou Thiago Santos.

O cartão de visitas de Thiago Santos no jogo, no entanto, não foi dos melhores. Aos 31 minutos do segundo tempo, o jogador teve a chance de marcar, livre de rivais, sem goleiro, mas acabou desperdiçando. Poderia ser a bola que iria definir o resultado favorável ao Alviverde.

Logo em seguida, Roger Machado resolveu mexer novamente no time. Desta vez, saiu Borja, que se sentiu jogando em casa, já que é colombiano. Em seu lugar, entrou o meia Gustavo Scarpa, aos 32, que ajudou o time na criação de novas jogadas.

Nos derradeiros minutos de partida, o árbitro paraguaio Enrique Cáceres viu pênalti extremamente discutível de Marcos Rocha na defesa colombiana. A cobrança foi desperdiçada: o jogador Alvez, do Junior Barranquilla, simplesmente isolou a bola! Isso aconteceu a cinco minutos do fim da partida.

Para fechar com chave de ouro a estreia no Continental, o goleiro Jailson também viu sua estrela brilhar: ele já estava praticamente acometido, em desvantagem, cara a cara com o atacante Alvez. De pé direito, porém, o arqueiro palestrino foi mais rápido, se antecipou e chegou afastando o perigo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.