Peñarol (URU) 2 x 3 Palmeiras – 26/04/2017

33921963320_1ea628c9dc_o
Crédito: Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

Épico. Para a história.

Se o primeiro jogo foi emocionante com a vitória aos 54′ do segundo tempo, esse foi surreal.

Depois de um péssimo primeiro tempo, Eduardo Baptista mexeu bem no intervalo e voltamos com tudo. Em 30 minutos estávamos a frente do marcador e seguramos o resultado.

A vitória nos deixa praticamente classificados para a próxima fase. Falta 1 ponto em 2 jogos.

No final da partida uma pancadaria lamentável com direito até a portões fechados para evitar a saída dos jogadores Palmeirenses.

Pra fechar a noite, uma entrevista coletiva fantástica de Eduardo Baptista colocando a imprensa no seu devido lugar.

Jogo de volta válido pela 4ª rodada da fase de grupos da Libertadores 2017.

Gols, melhores momentos, jogo completo.

FICHA TÉCNICA
PEÑAROL (URU) 2 X 3 PALMEIRAS

LOCAL: Estádio Campeón del Siglo, em Montevidéu (URU)
Data/Horário: 26/4/2017, às 21h45
ÁRBITRO: Enrique Cáceres (PAR)
Assistentes: Eduardo Cardozo e Juan Zorrilla (ambos do PAR)
PÚBLICO/RENDA: não disponíveis
CARTÕES AMARELOS: Nández, Rodríguez (Peñarol); Edu Dracena, Felipe Melo, Borja, Michel Bastos (Palmeiras)
GOLS: Mauricio Affonso, 12’/1ºT (1-0); Junior Arias, 39’/1ºT (2-0); Willian, 3’/2ºT (2-1); Mina, 17’/2ºT (2-2); Willian, 27’/2ºT (2-3)

PEÑAROL: Gastón Guruceaga; Hernán Petryk (Rossi – 42’/2ºT), Yefferson Quintana, Iván Villalba e Lucas Hernández; Marcel Novick (Dibble – 35’/2ºT), Nahitan Nandez, Álex Silva (Ángel Rodríguez – 15’/2ºT) e Cristian Rodríguez; Mauricio Affonso e Junior Arias. TÉCNICO: Leonardo Ramos.

PALMEIRAS: Fernando Prass; Mina, Edu Dracena e Vitor Hugo (Willian – intervalo); Jean, Felipe Melo, Guerra e Egídio (Tchê Tchê – intervalo); Michel Bastos, Róger Guedes (Keno – 44’/2ºT) e Borja. TÉCNICO: Eduardo Baptista.

Palmeiras encara Peñarol pela 10ª vez na Copa Libertadores

Felipe Krüger
Departamento de Comunicação
25/04/2017 – 19h00

Em solo uruguaio desde a noite da última segunda-feira (24), o Palmeiras segue se preparando para encarar o Peñarol-URU, nesta quarta-feira (26), em partida válida pela 4ª rodada da Conmebol Libertadores Bridgestone 2017. Será a 10ª partida da história entre os dois clubes pela competição continental – foram, até aqui, seis vitórias palestrinas, um empate e apenas duas derrotas.

O triunfo mais recente do Verdão frente ao rival uruguaio aconteceu no último dia 12 de abril, quando a equipe comandada pelo técnico Eduardo Baptista venceu por 3 a 2, no Allianz Parque. Os gols palmeirenses foram anotados por Willian, Dudu e Fabiano.

Em 2000, os times também se enfrentaram na competição sul-americana, mas em jogos válidos pelas oitavas de final. O Alviverde perdeu a primeira partida por 2 a 0, no Uruguai, mas venceu por 3 a 1 no Palestra Italia e, nos pênaltis, chegou às quartas de final do torneio.

As equipes ainda duelaram outras seis vezes em disputas de Copa Libertadores – uma final (1961), uma semifinal (1968) e dois jogos da fase de grupos (1973).

Em 1961, que marcou o primeiro duelo pela competição sul-americana, Palmeiras e Peñarol-URU protagonizaram a decisão da Copa Libertadores. O primeiro jogo, no Uruguai, terminou 1 a 0 para o time da casa, que segurou empate em 1 a 1 na partida de volta e garantiu o título do torneio. Apesar do revés, o Verdão fez história ao se tornar o primeiro brasileiro a disputar uma final do campeonato.

O troco veio sete anos depois, em 1968. Pela semifinal, o Verdão venceu o Peñarol tanto no Pacaembu – 1 a 0, gol de Tupãzinho – quanto no estádio Centenário, quando superou os uruguaios por 2 a 1 – tentos anotados, de novo, por Tupãzinho – e garantiu vaga na grande final.

Em 1973, na primeira fase da Libertadores, o Palmeiras voltou a enfrentar o Peñarol e venceu duas vezes por 2 a 0 – gols de Leivinha e Dudu no Palestra Italia e Fedato e Nei no Uruguai.

PÓS-JOGO

Fonte: Verdazzo

Depois de um primeiro tempo lamentável em que saiu perdendo por 2 a 0, o Verdão acertou o time no intervalo, virou o placar e venceu a partida no estádio Campeón Del Siglo, em Montevideo, e de quebra praticamente eliminou o Peñarol da competição. Como se não bastasse, ainda se garantiu na porrada, completando o serviço de humilhação contra esse timinho, que do grande clube do passado só tem a camisa. Esse Peñarol é uma vergonha para o Uruguai, em todos os sentidos.

PRIMEIRO TEMPO

Surpresa: Eduardo Baptista meteu três zagueiros no time, talvez com a intenção de soltar os laterais – para a entrada de Vitor Hugo, o sacrificado foi Tchê Tchê. Com Egídio e Jean pelos flancos, o time se armou num 5-4-1 que se transformaria num 3-6-1 quando o Palmeiras tinha a bola.

O Peñarol veio decidido a jogar com tudo em cima de nosso campo nos primeiros minutos, como era esperado. O Palmeiras não teve força e malandragem para picotar o jogo, não soube catimbar, e a pressão se mostrou insuportável. Aos 6, depois de uma disputa intensa e a bola viva em nossa área, Alex Silva pegou uma sobra e emendou um balaço de primeira – Fernando Prass pegou firme.

Borja estava muito isolado à frente; o Palmeiras recuperava a bola na frente e tentava ligar com o colombiano na base do chutão, ignorando a presença dos meias para a saída pelo chão – o 3-6-1 da teoria jamais foi visto na prática. O camisa 12, desta forma, era presa fácil.

Não tinha como dar outra coisa: aos 12 minutos, em cruzamento vindo do lado direito, Affonso estava sendo acompanhado por Mina, que foi puxado mas preferiu cair esperando pela marcação da falta que não veio; completamente livre, o atacante uruguaio fuzilou Fernando Prass e abriu o placar. Mas o gol foi irregular.

Aos 18, a primeira chegada do Palmeiras: Borja puxou o contra-ataque, abriu para Jean que cruzou; Borja se preparava para cabecear quando foi claramente empurrado dentro da área – pênalti que Enrique Cáceres não marcou. Era incrível, mas o Palmeiras, se a arbitragem tivesse sido honesta, era para estar vencendo por 1 a 0 e não o contrário – mesmo tomando um baile do Peñarol.

Mas aos poucos o Palmeiras foi acertando a distância da marcação e equilibrou o jogo, também porque o Peñarol diminuiu o vigor físico dos primeiros minutos. Aí entrou em ação a torcida carbonera, fazendo um barulho impressionante mesmo com a bola parada e mantendo o time da casa superior em campo.

Aos 35, o Peñarol teve escanteio pela esquerda; Fernando Prass socou depois de ter sido chargeado no ar e a bola sobrou para Novick, que emendou forte – a bola ia para fora, mas Cebolla Rodríguez tentou interceptar – estava impedido.

Quando o jogo parecia se encaminhar para seu ritmo normal, o Peñarol achou o segundo gol numa falha coletiva grosseira da defesa do Palmeiras: a bola saiu de Guruceaga e chegou em Junior Arias na intermediária; no meio de quatro palmeirenses, ele girou com liberdade e achou na direita Alex Silva, que alçou na área. Mina perdeu a disputa com Affonso, que tocou com o ombro para o meio, onde já estava Junior Arias, marcado por Guerra(?!?!); o uruguaio girou no ar e marcou o segundo gol do time da casa. Tudo errado.

E no final, quase uma tragédia: aos 45, falta da direita; Jean afastou mal, para o miolo; Felipe Melo tentou consertar recuando para Fernando Prass mas cabeceou mal, obrigando nosso goleiro a dividir duas vezes – a primeira contra Junior Arias e a segunda contra Nández – melhor para nosso camisa 1. E com apenas um minuto de acréscimo, o juizão felizmente encerrou o primeiro tempo. Um desastre. Os 2 a 0 ficaram baratos, apesar dos erros da arbitragem.

SEGUNDO TEMPO

Para o segundo tempo, Eduardo Baptista corrigiu a bagunça geral e voltou a seu esquema preferido, com Willian Bigode e Tchê Tchê nos lugares de Egídio e Vitor Hugo – Michel Bastos foi para a lateral esquerda pela primeira vez desde que chegou ao Palmeiras.

E com apenas 4 minutos o Verdão diminuiu o placar: Jean recebeu de Guerra, foi ao fundo e cruzou para Borja, que disputou com Quintana e bola espirrou, caindo com Willian; como um segundo centroavante, ele dominou, petecou a bola e bateu de virada, mandando no ângulo de Guruceaga e recolocando o Verdão no jogo.

Aos 6, nova chegada do Verdão: Willian, após boa tabela com Borja, tentou bater de curva buscando o canto esquerdo de Guruceaga, mas a bola saiu ao lado. Aos 7, depois de mais uma boa trama do nosso ataque dentro da área, a bola rodou até Felipe Melo que tentou a batida de fora – saiu por cima. Três finalizações rápidas, contra nenhuma de todo o primeiro tempo. Era outro jogo.

O Peñarol deu o troco aos 8, num chute de Nandez, rasteiro, de fora da área – ela lambeu a trave direita de Fernando Prass. Perigoso!

Mas o Caminho estava claro, e era o lado direito: aos 11, Guerra abriu para Jean, que invadiu e cruzou por baixo para Roger Guedes, que estava livre na linha da pequena área e era só tocar para dentro, mas ele pegou mal na bola, que saiu muito por cima. O Peñarol estava apavorado.

Aos 18, veio o empate: Mina brigou no ataque, pela esquerda, e forçou a saída de bola errada do Peñarol; Felipe Melo girou para Jean, que colocou dentro da área na cabeça de Mina, que depois de iniciar, terminou a jogada, escorando para o fundo do gol e se recuperando dos erros infantil nos gols do time da casa. Era só jogar bola.

Aos 22, depois de uma bola de escanteio em nossa área rechaçada; Cebolla Rodriguez emendou um bom chute de esquerda, mas Prass defendeu – o uruguaio estava impedido, de qualquer forma.

Mas tinha mais: aos 27, Michel Bastos fez a jogada pela esquerda, tabelou com Tchê Tchê e serviu Guerra no meio; o venezuelano bateu de fora (enfim!) e Guruceaga espalmou para o lado; Jean aproveitou a sobra e cruzou para o meio, fazendo sua terceira assistência no jogo: Willian Bigode fechou e tocou para as redes, virando o jogo. Sensacional!

Depois de um breve período de pressão do Peñarol, prensando o Palmeiras no campo de defesa, o Verdão saiu de trás novamente e quase fez o quarto: aos 37, Borja recebeu de Willian na direita, dominou e engatilhou o canudo; a bola foi travada pela zaga e saiu a escanteio.

O Verdão controlou o jogo e aproveitou o nervosismo do time uruguaio. E aos 44, Guerra aproveitou uma bola de lateral, invadiu a área pela esquerda e tentou o cruzamento para Willian; a bola desviou na zaga e quase entrou no cantinho de Guruceaga.

Aos 47, o último susto: Fernando Prass salvou o Verdão, depois que a bola foi jogada na área vinda do lado esquerdo; Michel Bastos disputou com Junior Arias e Fernando Prass fechou o ângulo, desviando a escanteio. Na cobrança, Cebolla Rodríguez girou para o gol – Felipe Melo travou e acabou com as esperanças uruguaias.

FIM DE JOGO

O Palmeiras não tem queixo de vidro, literalmente. Depois de uma virada histórica e sensacional dentro de campo, os uruguaios, como sempre, partiram pra pancadaria – até aí, quase nada de novo. As táticas é que surpreenderam: mesmo com o corpo de seguranças do Palmeiras fazendo todo o trabalho para garantir a passagem de nossos jogadores para o vestiário enquanto o pau comia; os funcionários do Peñarol fecharam o portão para que nossos jogadores, cercados, fossem massacrados. Mais uma vez nossos seguranças brilharam e abriram a passagem na marra, e finalmente a confusão terminou.

O Verdão, com a magnífica vitória, só não se classificará para a próxima fase se perder as duas partidas que ainda faltam e ainda o Peñarol perder seus dois jogos, e mesmo assim há o saldo de gols que pode decidir. Não tem muito como dar errado.

Durante a coletiva após a partida, Eduardo Baptista deu um depoimento sensacional. Todos os acontecimentos após o jogo serão objeto de um post específico, aguardem.

Mais uma vez esta noite tivemos muito orgulho de ser palmeirenses. Parabéns para todos nós. VAMOS PALMEIRAS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.