Palmeiras 3 x 2 Red Bull Brasil – 25/01/2015

cristaldocomemoragolmarceloferrelligazeta

(Foto: Marcelo Ferrelli / Gazeta Press)

Bom jogo no segundo teste antes da estréia no Paulistão 2015.

Ainda há bastente para evoluir (não passamos sem sustos), coisa que acontece com treino e os próprios jogos. O importante foi ver que, mesmo com todo o desentrosamento, conseguimos vencer uma equipe fechadinha e retrancada. É o que mais tem no Paulistão.

Jogo amistoso de início de temporada.

FICHA TÉCNICA
PALMEIRAS 3 X 2 RED BULL BRASIL

LOCAL: Allianz Parque, São Paulo (SP)
DATA: 25/1/2015
ÁRBITRO: Regildenia de Holanda Moura
PÚBLICO/RENDA: 20.151 pagantes/R$ 944.245,00
CATÕES AMARELOS: Andrade (Red Bull Brasil) e Wellington (Palmeiras)
GOLS: Allione, aos 37’/1ºT (1-0); Cristaldo, aos 9’/2ºT (2-0); Lulinha, aos 11’/2ºT (2-1); Alan Patrick, aos 30’/2ºT (3-1); Anderson Marques, aos 44’/2ºT (3-2)

PALMEIRAS: Fernando Prass (Jailson – 29’/2ºT); Lucas (Ayrton – intervalo), Tobio (Jackson – intervalo), Vitor Hugo (Victor Ramos – intervalo) (Wellington – 44’/2ºT) e Zé Roberto (João Paulo – intervalo); Amaral (Renato – 15’/1ºT), Gabriel (Alan Patrick – intervalo), Mendieta (Robinho – intervalo) e Allione (Ryder – intervalo) (Victor Luis – 27’/2ºT); Maikon Leite (Dudu – intervalo) e Leandro Pereira (Cristaldo – intervalo). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

RED BULL BRASIL: Juninho (Gabriel Leite – 19’/2ºT), Jonas (Everton Dias – 19’/2ºT), William Magrão (Anderson Marques – 34’/2ºT), Fabiano Eller (Samuel – 34’/2ºT) e Romário (Helder – 24’/2ºT); Andrade (Carlinhos – 24’/2ºT), Jocinei (Alan Dias – 19’/2ºT) e Gustavo Scarpa (Marcelo – 12’/2ºT); Raul (Wilson Júnior – 29’/2ºT), Pingo (Lulinha – intervalo) e Isac (Edmilson – 12’/2ºT). Técnico: Mauricio Barbieri.

Pós-Jogo

Fonte: www.verdazzo.com.br

O Verdão venceu mais um amistoso no Allianz Parque, no último confronto antes da estreia no Paulistão. O time – ou os times, já que foram duas formações distintas em cada tempo – mostraram bom futebol levando-se em conta que é um amistoso, apesar das preocupantes falhas da defesa no posicionamento e principalmente nas bolas aéreas. Dudu foi o destaque do jogo; Alan Patrick mostrou bastante desenvoltura e o mais importante: o elenco se mostrou homogêneo e diversificado, com jogadores com características diversas podendo entrar e mudar a tática do jogo sem deixar cair o nível técnico.

O Red Bull veio bem fechado, com dez homens atrás da intermediária quando o Palmeiras tinha a posse de bola – um excelente teste para as inúmeras retrancas que o time vai enfrentar no Paulista. E o Verdão não se deu muito bem, de início. Com Zé Roberto preso, a esquerda não era opção. Na direita, Maikon Leite foi Maikon Leite: ciscou, criou, mas quase sempre errava no último toque. Pelo miolo, Mendieta vai desperdiçando suas últimas chances de mostrar que pode ser útil, e assim a bola só chegava a Leandro Pereira em passes longos do campo de defesa, ou em tentativas de Allione, que sofria com a falta de um companheiro para fazer a tabela.

A primeira grande chance foi do Verdão: aos dez, Gabriel fez passe longo e achou Allione do lado esquerdo; o argentino dominou, cortou para o meio e bateu forte; a bola beijou a trave direita de Juninho e espirrou para a lateral. A chance seguinte veio só aos 23, com Maikon Leite, que insistiu pela direita e cruzou buscando Leandro Pereira, mas Juninho desviou o centro e salvou o time do interior.

Aos 29, o primeiro lance de perigo do Red Bull, num chute de fora de Andrade, que saiu por cima. O Verdão estava em seu pior momento do primeiro tempo quando conseguiu o gol: aos 37, Lucas insistiu na disputa de bola; ela sobrou para Maikon Leite que invadiu a área em diagonal e finalizou como sempre, no canto do goleiro; Juninho deu rebote e Allione escorou para o gol, abrindo o placar sem muito trabalho. O jogo seguiu em ritmo mais lento até o fim do primeiro tempo, mas ainda deu para o Red Bull criar uma boa chance, num chute de Gustavo Scarpa da entrada da área – Fernando Prass fez uma defesa para sair na foto, espalmando a escanteio.

Para o segundo tempo, Oswaldo mudou o time todo, com exceção de Renato, que havia entrado no primeiro tempo no lugar de Amaral. O time ficou assim: Fernando Prass; Ayrton, Victor Ramos, Jackson e João Paulo; Renato, Robinho e Alan Patrick; Ryder, Cristaldo e Dudu. Um atacante aberto de cada lado, o meio-campo bem mais rápido, mas desprotegido.

Com essa formação, o jogo ficou mais franco. O jogo ofensivo do Palmeiras ficou bem mais agudo, mas a defesa ficou exposta. Tanto que, com onze minutos, saiu um gol para cada lado – e poderia ser mais, se Juninho não defendesse a finalização de Cristaldo, aos cinco, após bom giro do atacante. Aos sete, Dudu deixou seu cartão de visitas ao deixar Cristaldo na cara do gol, e o argentino não teve problemas para aumentar o placar. Quatro minutos depois, Gustavo Scarpa aproveitou o espaço em nosso meio-campo, tabelou com Jocinei e deixou Lulinha na frente de Fernando Prass, e o atacante do Red Bull não desperdiçou, diminuindo a contagem.

A bola aérea, com uma zaga totalmente nova, e treinador novo, continua sendo um sufoco. Aos 21, Fabiano Eller escorou para as redes uma falta cruzada em nossa área, mas estava impedido. Aos 24, nova falha da última linha, desta vez falta de atenção: Marcelo aproveitou lançamento longo por trás dos dois zagueiros e finalizou na saída de Fernando Prass, que fechou bem o ângulo – a bola bateu na trave e saiu.

Dudu ia muito bem pela esquerda, ao passo que Ryder, tímido, não conseguia fazer o mesmo. O camisa 7 deu um lindo passe de calcanhar, de primeira, para Robinho, que concluiu para o gol, mas a assistente errou marcando impedimento. O lance foi decisivo para que Oswaldo decidisse quem tirar para encorpar o meio-campo: saiu Ryder e entrou Victor Luis.

Dois minutos depois, saiu o terceiro do Verdão: Dudu conduziu pelo meio e abriu para Cristaldo, que alçou na área; Victor Luis fez um corta-luz puxando dois marcadores e a bola sobrou para Alan Patrick, que ficou no mano a mano com Lulinha, deixou-o no chão com um drible desconcertante e concluiu para as redes.

Em ritmo de rachão, o jogo rumava para seu fim e parecia que nada mais aconteceria, até os 43, num escanteio que Anderson Marques, alto, foi marcado pelo nanico Victor Luis – óbvio, ganhou e colocou no ângulo de Jailson – a bola ainda bateu na trave antes de entrar. E aos 45 a doutora juíza não deixou o ataque do Red Bull levar vantagem após falta de Jackson em Wilson Junior; a jogada seguiu e Edmilson empatou o jogo, mas dona Regildênia alegou que tinha apitado e não podia deixar seguir, e assim compensou o gol de Robinho mal anulado. E ficamos com 3 a 2 no placar.

O time do segundo tempo pareceu ser mais efetivo ofensivamente numa análise simplória. Mas como vimos, deixa a defesa exposta. Oswaldo tem que achar o equilíbrio, e pinçar o que teve de melhor em cada time para tentar achar o melhor onze para colocar em campo – lembrando que temos jogadores com características distintas que podem funcionar melhor em jogos contra determinados adversários. Com exceção de um ou outro jogador ainda mais travado, a maioria dos atletas mostrou qualidade para serem utilizados sem sustos. O elenco parece ser realmente equilibrado e forte.

A necessidade número um neste momento é acertar a defesa, porque tá dando medo. VAMOS PALMEIRAS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.